As janelas da memoria brincam ao esconde-esconde. É lá que moram todas as bocas que não quiseram dar beijos e todas as princesas que adormeceram nos contos de fadas incapazes de acordar e de voltar à dor do mundo, e todos os principes que por não serem perfeitos se afastaram dos seus sonhos. E todos se escondem para que nunca os descubram. Mas na hora do crepusculo todos se unem numa valsa louca, espiral de tempo de quem não se quer  perder. (...)

Maria Lua

 

 

 

publicado por MariaLua às 21:53