borboleta_15.jpg

 

 

Imagine uma pequena flor silvestre começar a movimentar as suas pétalas delicadas e, de repente, começar a voar. Vi essa comparação algures por aí e agradou-me o pensamento. As borboletas não são mais do que isso: flores que voam. O colorido das suas asas, a delicadeza desses bichinhos que de tão frágeis parecem seguir ao sabor dos ventos, faz das borboletas um tema muito presente na arte em todos os tempos. As infinitas formas de desenhos e a combinação dessas manchas abstractas com um colorido às vezes esfuziante, às vezes discreto, colocam as borboletas em lugar de destaque entre as múltiplas formas com que a natureza sabe fazer arte. Essas pequenas flores voadoras são, incontestavelmente, uma das mais belas facetas da mão artística da natureza, pequeninos pedaços esvoaçantes de pinturas feitas pela vontade divina nos seus momentos de maior inspiração, tem sido o motivo para trabalhos de inúmeros artistas, cada qual mostrando como vê e interpreta esses animais. A vida das borboletas, efémera e subtil como as suas asas, é muito interessante, compreendendo um processo de metamorfose que a faz ser completamente diferente em cada fase. O número de espécies diferentes é simplesmente impressionante, qualquer coisa como 150 mil variedades, o que me parece uma enormidade. Acho que Deus gostou de criar essas flores esvoaçantes e ficou muito tempo a distrair-se multiplicando-as Imagens dentro de imagens, como em Salvador Dali, Badida ou Rê Rodrigues. As asas das borboletas possuem desenhos intricados que representam formas verdadeiras ou que se assemelham ou, simplesmente, intricados de fios e riscos que nada significam, mas que nos fazem viajar. No seu zigue-zague constante enquanto voam, as borboletas não demonstram que estão sem direcção certa. Elas estão, isso sim, tentando mostrar-se mais na sua beleza, vaidosas e cientes da sua condição de flor.

 

(Espero que todas as borboletas encontrem um dia o seu caminho... um caminho onde possam estender as asas e brilhar para sempre...)

 

Beijinhos a todos!

 

MariaLua

 

publicado por MariaLua às 14:51